9 de set de 2016

IGMR 92 - Bispo preside a Eucaristia

Toda celebração legítima da Eucaristia é dirigida pelo Bispo, pessoalmente ou através dos presbíteros, seus auxiliares.
Quando o Bispo está presente à Missa com afluência do povo, é de máxima conveniência que ele celebre a Eucaristia e associe a si os presbíteros na sagrada ação como concelebrantes. Isto se faz, não para aumentar a solenidade exterior do rito, mas para manifestar mais claramente o mistério da Igreja, “sacramento da unidade”.
Se o Bispo não celebra a Eucaristia, mas delega outro para fazê-lo, convém que ele próprio, de cruz peitoral, de estola e revestido do pluvial sobre a alva, presida a Liturgia da Palavra, e no fim da Missa, dê a bênção. (IGMR 92)

Indicação teológica
A IGMR 92 inicia-se com um princípio teológico da Liturgia: a presidência litúrgica compete ao ministério sacerdotal do Bispo. Isto é válido para todos os sacramentos e primordialmente para a celebração Eucarística. Diante da impossibilidade prática do Bispo está presente em todas as comunidades, os presbíteros assumem a presidência em nome do Bispo como auxiliares. Este caráter do sacerdócio presbiteral encontra-se na oração consacratória da ordenação sacerdotal dos presbíteros.
No caso presente, a validade e liceidade da Missa acontece quando esta é realizada pela presidência do Bispo ou de um padre (cf. SC 42). Assim, o conceito que um grupo de cristãos reunidos, por serem dotados pelo direito batismal do "sacerdócio comum", celebram validamente a Eucaristia carece de fundamento teológico e doutrinal, considerando, na Tradição (com T maiúsculo), que a Igreja sempre celebrou a Eucaristia presidida por um Bispo ou por seu auxiliar, no caso o padre. (Cf. LG 26-28).

Concelebração
Depois do conceito teológico, a IGMR 92 considera uma proposta de ordem pastoral a partir do belo fundamento teológico de que, na Missa, toda a Igreja se reúne ao redor de Jesus Cristo para celebrar a Eucaristia, a grande ação de graças ao Pai. Isto acontece sacramentalmente de modo solene e sublime quando o Bispo, com seu presbitério, diáconos e todo o povo se reúnem na mesma celebração litúrgica (Cf. SC 26). A IGMR 92 faz questão de dizer que não se trata apenas de uma questão estética, mas da visibilidade da Igreja naquilo que mais a caracteriza: reunir-se como povo de Deus para celebrar a Eucaristia.

Quando o Bispo não celebra, mas está presente na Missa
Depois dos fundamentos teológico e pastoral, uma orientação celebrativa sobre como proceder quando o bispo está presente, mas não preside.
Isto acontece, por exemplo, em missas de jubileus sacerdotais, de 25 ou 50 anos. O padre preside e, neste caso, o bispo não concelebra, porque, se fosse para o altar, a presidência, por direito, pertence ao Bispo. A IGMR 92 orienta, em tais casos, que o Bispo participe da celebração num local do presbitério, mas sem as vestes litúrgicas da celebração Eucarística. Em tais circunstâncias apresenta-se “de cruz peitoral, de estola e revestido do pluvial sobre a alva”.
É importante anotar que o Bispo não se apresenta como figura decorativa, nestas celebrações, uma vez que ele exerce seu ministério de Pastor na Liturgia da Palavra, pois a homilia pertence ao bispo. Exerce assim o seu múnus de ensinar, de conduzir seu povo como pastor, indicando como caminhar nas estradas de Jesus, iluminando-o com a luz do Evangelho. Além da participação na Liturgia da Palavra, ao Bispo que participa da Missa sem presidi-la, compete a direção dos ritos finais, contando com a monição conclusiva e especialmente o rito da bênção. Indicações mais detalhadas sobre como proceder ritualmente nestes casos são encontradas no Cerimonial dos Bispos, nn. 175-186.
Serginho Valle
2016




← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.