7 de set de 2016

Salmista

Salmista é um ministério litúrgico que atua na Liturgia da Palavra. Não só na Liturgia da Palavra, mas também em outros momentos celebrativos, como é o caso do canto das antífonas de entrada, da aclamação ao Evangelho e da comunhão.
Na Liturgia da Palavra, o salmista atua em dois momentos: no canto do salmo responsorial e na aclamação ao Evangelho, cantando a antífona da aclamação ao Evangelho, no rito que acolhe o Evangelho. No salmo responsorial, o salmista poderá atuar cantando ou recitando salmicamente o salmo proposto.

Requisitos ministeriais
Uma das principais exigências do salmista, do ponto de vista musical, é saber salmodiar cantando. É uma arte que não diz respeito unicamente ao saber cantar, ao ser afinado e ritmado na arte musical, mas de conhecer a arte de cantar salmos para interpretá-los naquilo que são: poemas orantes. Atualmente, as composições salmicas facilitam bastante esta arte. Antigamente, havia uma exigência maior, considerando a arte de cantar o gregoriano. Um bom salmista, em nossos tempos, sabe salmodiar em gregoriano e com os tons atuais.
Outro requisito ministerial do salmista, especialmente para aqueles que não se afinam na arte musical, é a arte declamativa. Neste caso, o salmista proclama a salmo declamando a poesia em modo salmico. É uma arte que exige o conhecimento da retórica e da métrica dos poemas com os quais foram escritos os salmos.
Em ambos os casos, a arte de lidar com os salmos, seja cantando ou declamando, vem oferecendo boas propostas, com publicações de livros e CDs de novas composições. Também existem livros e estudos sobre a métrica dos salmos. É importante levar em consideração tais requisitos para não se improvisar neste momento poético da Liturgia da Palavra.

O espaço celebrativo e a veste do ministério do salmista
O espaço celebrativo e comunicativo do salmista é o ambão ou Mesa da Palavra. O salmo é Palavra de Deus proclamada de modo poético, cantada, com a assembléia, do ambão. Para isso e por isso o salmista coloca-se diante da assembléia para proclamar o salmo responsorial e não fica escondido ou misturado no meio do ministério da música. Até hoje, não encontrei nenhuma justificativa convincente para se proclamar o salmo misturado (escondido) com o Ministério da Música.
Da mesma forma como os ministros da Palavra se vestem com uma veste litúrgica, também o salmista exerce seu ministério revestido com uma veste litúrgica onde assim se apresentam os ministros da Palavra. Onde isto não é adotado, o salmista se apresenta vestido adequadamente para o ministério que irá exercer na Liturgia.

Escolher e formar salmistas
Por se tratar de um momento ritual marcado especialmente pela poesia orante, como se caracterizam os salmos, concluo incentivando as equipes de celebrações a escolherem e proporem formação adequada à pessoas que dominam a arte da música, seja pela afinação como pela interpretação. Da mesma forma, incentivo a escolher e propor formação a quem domina a arte retórica da declamação poética. Na Liturgia da Palavra, o salmo por não ser recitado em conjunto (todos juntos) pede salmistas bem preparados seja na arte musical como da retórica.
Serginho Valle

2016
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.