5 de nov de 2016

IGMR 294c = Espaço ministerial do presbitério

“O sacerdote celebrante, o diácono e demais ministros tomarão lugar no presbitério. Ali se prepararão as cadeiras dos concelebrantes; se, porém, seu número for grande, as cadeiras serão dispostas em outro lugar da igreja, mas próximo do altar.” 

Outro espaço contemplado a IGMR 294 é o presbitério. O termo presbitério é anterior à reforma litúrgica (1963) com o significado de "lugar do presbítero". Em tempos idos, era o local exclusivo do padre, no qual somente o padre e  quem fora ordenado podia pisar. Isto significava, bispo, padre, diácono e subdiácono. Hoje, o presbitério continua com o mesmo nome, mas acolhe outros ministros em suas funções ministeriais.
Há alguns anos atrás, alguns liturgistas propunham a mudança de nome de “presbitério” para “ministério”. Uma proposta interessante, mas que poderia causar mal-entendidos. Considere-se que o presbitério não é o único local ministerial de uma assembléia litúrgica Eucarística, como tivemos oportunidade de considerar ao tratar do espaço próprio do ministério da música. Se estendermos a compreensão ministerial na celebração Eucarística, como por exemplo, o ministério da acolhida, considero que substituir nominalmente “presbitério” por “ministério” não é conveniente. Por isso, sem problemas, continuando a adotar a antiga denominação.
A IGMR 294 escala para o presbitério o padre que preside a Missa, o diácono, os concelebrantes, em Missas concelebradas, e os demais ministros.  

Padre no presbitério 
O padre ocupa vários espaços no presbitério, em diferentes momentos da presidência, dependendo de cada rito: ele exerce seu ministério presidencial na cadeira presidencial, no ambão e no altar. 
O padre como que peregrina pelo presbitério. Depois de subir ao presbitério, beija o altar e dirige-se para a cadeira presidencial. Dali, seguindo a sequência ritual, vai para o ambão, volta para a cadeira presidencial, vai para o altar e volta para a cadeira presidencial. Antes do último retorno à cadeira presidencial, desce até a nave da igreja para partilhar a Eucaristia com os celebrantes presentes na assembléia. Sua última  função ritual no presbitério é sua despedida do altar com um beijo. 

O Diacono no presbitério 
O lugar do diácono, no presbitério, é ao lado direito da cadeira presidencial. Na prática passa pelos mesmos caminhos do padre que preside a Eucaristia: da cadeira para o ambão, volta para a cadeira, dali vai para o altar, desce à nave da igreja para distribuir a Eucaristia e volta para a cadeira. Juntamente com o padre, sua última função ritual no presbitério  é o beijo no altar. Quando proclama as intenções dos fiéis, depois do Credo, volta ao ambão. 

Demais Ministros  
Quem são esses "demais ministros"? Por “demais ministros” entende-se aqueles que exercem alguma função ritual no desenvolvimento celebrativo da Missa: leitores, músicos, ministros que auxiliam na distribuição da Eucaristia, coroinhas, acólitos, cerimoniário.... Estes deveriam ser acolhidos no presbitério.  
São muitos, de onde a necessidade de uma disposição espacial bem feita e respeitadora de cada função ministerial. Assim, os ministros da Palavra, leitores, terão seu espaço próximo do ambão. Os ministros que auxiliam na distribuição da Eucaristia, no rito da comunhão, podem ter seu espaço numa das laterais do presbitério. Os coroinhas, dois são suficientes, colocam-se ao lado do padre. Estes são os ministérios mais presentes nas celebrações dominicais.  
Tal disposição, além de ser funcional, tem também uma simbolização, que comentaremos na próxima sessão, quando encerraremos esta IGMR 294.  
Serginho Valle 
2016 



← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.