16 de fev de 2018

A Quaresma e seus encontros - encontro consigo mesmo

A Teologia do Ano Litúrgica propõe uma pedagogia espiritual para Quaresma que pode ser explorada de muitos modos. Um deles é considerando o “encontro”, tema fundamental na espiritualidade cristã. De fato, toda espiritualidade gira em torno do encontro, especialmente do encontro com Deus; a espiritualidade é um movimento que conduz ao encontro de Deus. Não existe espiritualidade cristã sem a dinâmica do encontro que, na prática Quaresmal, obedece a três etapas: encontro consigo mesmo, encontro com Deus, encontro com a proposta do discipulado.
A proposta do primeiro encontro é consigo mesmo, no deserto, presente na Liturgia do 1º Domingo da Quaresma. O segundo encontro é com Deus, no Monte Tabor, celebrado no 2º Domingo da Quaresma. Os três outros Domingos — no contexto da Quaresma do Ano B — propõem o encontro com a proposta do discipulado enquanto convite para converter-se em três aspectos: a pureza do culto (3DQ-B), a luz da vida está em Jesus (4DQ-B) e, amor divino na oblação da Cruz (5DQ-B).
            Por hora, vou deter-me somente no primeiro encontro, aquele consigo mesmo, para o qual a Liturgia conduz cada celebrante e toda a Igreja ao deserto. Para isso, é importante que o clima celebrativo respire o silêncio do deserto: silêncio no espaço (sem flores e folhagens), silêncio no modo de cantar (sem batuques e com poucos instrumetnos), silêncio refletido na simplicidade dos ritos; silêncio no modo de celebrar.

Encontro consigo mesmo
A Liturgia celebra o 1º Domingo da Quaresma com três simbolismos: o deserto, o tentador e Jesus. O deserto simboliza o local ideal para o encontro pessoal consigo mesmo. No contexto simbólico desse Domingo quaresmal, o deserto é povoado pelas tentações que prometem a realização da existência humana pelo dinheiro, pela fama e pelo poder. No silêncio do deserto, o homem e a mulher são chamados a dar uma resposta pessoal indicativa de uma opção de vida.
As três tentações fundamentam-se no fazer; em empenhar-se com suas próprias forças para ganhar dinheiro, para ser famoso, para ter poder. São três tentações perigosas porque, quando não existe dedicação ao trabalho honesto, estas tentações, inevitavelmente conduzem à corrupção, levam a um processo existencial que corrompe, corrói e degrada a vida humana. Um modo de esconder a corrupção existencial é a ostentação, outro modo é viver de aparências.
A realidade das tentações só pode ser vencida no deserto, quer dizer, no espaço onde a pessoa encontra-se silenciosamente consigo mesma. É uma batalha espiritual que a pessoa trava entre o crer e o fazer, entre o confiar em Deus e o confiar nas próprias forças. Por isso, a Quaresma é o tempo privilegiado do deserto para propor a fé, no sentido de confiar em Deus, acima da eficiência do fazer.
Aquele que vence as tentações é um vitorioso e seu prêmio é a paz, o contrário da corrupção. É importante considerar que as pessoas corrompidas pelas tentações caminham nos caminhos do ativismo que, na ideologia social de nossos tempos, manifesta-se pela disputa de concorrências. Corrompidos pelo ativismo, freneticamente buscando dinheiro, poder e fama no mercado, essa gente perde a paz. Diante disso, o convite da Quaresma feito na Liturgia: vá para o deserto e coloque-se diante de si mesmo; descubra quem és e coloque sua confiança em Deus para que sua vida não se corrompa, não se deteriore no ativismo.
É preciso estar alerta para perceber o uso da Sagrada Escritura e do Evangelho procurando justificar as tentações do deserto, especialmente presente na chamada Teologia da Prosperidade e que, se não se cuidar, começa a ser sutilmente usada para justificar-se diante de si mesmo, numa espécie de auto complacência espiritual. É preciso ficar alerta e vigilante porque o demônio também se serviu da Sagrada Escritura na tentação de Jesus.

Modelagem em Jesus
            A Liturgia apresenta Jesus como modelo de quem vence o tentador. Algumas vertentes psicológicas propõem a dinâmica da modelagem que, basicamente, consiste em eleger um modelo, uma referência para os momentos mais agudos da vida. Assim, numa situação de crise, a pessoa coloca-se diante de si mesma para interrogar-se: se o “meu modelo” estivesse no meu lugar, o que ele faria? Conhecendo bem o modelo, chega-se a conclusão que atitude tomaria em favor da opção mais correta.
            É uma dinâmica que pode ser aplicada diante das tentações do deserto: se Jesus estivesse sendo tentado no meu lugar, o que ele faria? Se Jesus estivesse sendo tentado a fundamentar sua vida no dinheiro, na fama e no poder, o que ele faria? Conhecendo Jesus, que prioriza o crer e a sua adesão radical ao projeto do Pai, cada celebrante poderá modelar sua opção de vida no modelo Jesus. Destaco três atitudes modeladoras.
            A primeira: buscar o deserto é colocar-se diante de si mesmo para avaliar a proposta tentadora e pode ser feito com interrogações deste tipo: por que esse pensamento roda na minha cabeça? Por que estou tentado a fazer isso? Tal atitude é coerente com minha fé e com minha opção de vida de discípulo do Evangelho?  
            A segunda: é o confronto direto com o tentador. Jesus não argumenta com o tentador, não porque ele seja mais esperto que Jesus, mas porque o tentador não tem nada a acrescentar a Jesus. Simplesmente, não lhe dá ouvidos porque o tentador não pode apresentar uma proposta que dê sentido profundo ao viver.
            A terceira atitude de Jesus é confiar-se a Deus. É interessante perceber que, no dinamismo da espiritualidade quaresmal, este confiar-se a Deus é o resultado de quem se coloca sinceramente diante de si mesmo para sinceramente optar por Deus. É a proposta da Quaresma para renovar — ano após ano — a opção pessoal ao projeto divino. Uma opção pessoal de quem vai ao deserto, confronta-se com as propostas do mundo e se decide pelo projeto de Deus.

Concluindo
            A Quaresma não é tempo exclusivo para penitenciar-se externamente, mas mais apropriado a penitenciar-se internamente. A primeira penitência consiste em colocar-se diante de si mesmo para reconhecer que com as próprias forças se é incapaz de vencer as tentações. Estas só são vencidas somente pela força da fé que é capaz de favorecer a opção radical pelo projeto de Deus. Neste sentido, a Quaresma não é um simples período de tempo proposto no calendário da Igreja, mas é uma dinâmica de conversão a partir de um sincero encontro pessoal consigo mesmo.
Serginho Valle

Fevereiro de 2018
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.