20 de jun de 2015

A espiritualidade litúrgica e os idosos




Resultado de imagem para elderly prayingNem sempre é fácil para os idosos participar ativamente das celebrações. Um grande número deles celebrava a Liturgia em latim e, agora, muitos sentem dificuldade de rezar na celebração depois da reforma conciliar. É o que vemos, por exemplo, quando alguns idosos rezam o terço durante a Missa. A Missa não é momento para rezar terço, mas para celebrar a Eucaristia. Para o terço existem outros momentos do dia. (De vez em quando, vejo alguns menos idosos rezando o terço durante a Missa. Um gesto, no mínimo, estranho). Não vamos criticar os idosos por isso e nem mesmo impor-lhes uma proibição. Nosso intuito é ajudá-los a celebrar bem em vista do seu crescimento espiritual.
À medida que os anos avançam e ficamos idosos, tendemos a nos aproximar mais de Deus, a fonte da vida plena e sempre jovem. Quando as debilidades do corpo se manifestam, a força espiritual tende a crescer. E é justamente nesta possibilidade de crescimento espiritual. Oferecido naturalmente pelo movimento psicológico humano, que somos provocados a favorecer uma qualidade celebrativa para o crescimento da espiritualidade na vida dos idosos. A Liturgia oferece inúmeras possibilidades; faço apenas alguns acenos.
Quanto às celebrações da Eucaristia, além de Missas especiais para com os idosos, ter cuidado com a linguagem celebrativa, com celebrações dominicais mais pausadas (menos agitadas), com mais tempo para oração silenciosa, respeitando o compasso da vida do idoso. Isto seria possível reservando, por exemplo, um horário para uma Missa dominical mais silenciosa, mais calma e mais orante.
Pode-se também promover celebrações penitenciais, que ajudem os idosos a reverem a vida não como culpa por aquilo que não fizeram bem em sua longa história existencial, mas como momento de gratidão por serem tocados tantas vezes pelo perdão divino. Celebrações penitenciais de gratidão, não de culpalização.
Um lugar muito especial, para o crescimento da espiritualidade dos idosos, na Liturgia, é ocupado pela celebração da Unção dos Enfermos, que poderá ser feita de maneira coletiva em datas especiais da comunidade, como Páscoa, Natal e festa do padroeiro.
Junto a isso, a Liturgia oferece inúmeras celebrações de Bênçãos, que podem ser realizadas com a presença dos idosos, como por exemplo, a bênção de remédios. Ainda neste contexto de celebrações especiais, pode-se promover de tempos em tempos, celebrações temáticas com a Liturgia da Palavra para exaltar um momento especial da vida, como o valor da sabedoria da vida, a riqueza existencial pela experiência dos anos.
Um último aceno para reforçar a importância da Liturgia como local e meio para ajudar o idoso a crescer espiritualmente. Sabemos que o idoso nem sempre é respeitado em seus direitos. É um fato social preocupante. “A palavra velho traz consigo um conjunto imenso de conotações pejorativas. Numa sociedade que idolatra a juventude, a beleza e a força física, ser velho significa estar envolvido em um universo de rejeição, preconceitos e exclusão” (Texto-base da CF2003, n. 7). Por causa do preconceito, grande número de pessoas tem medo de envelhecer e, tantos que atingiram a idade senil não vivem comodamente como idosos. A possibilidade de propostas para celebrar a vida na idade avançada é uma oportunidade que a Igreja pode oferecer para agradecer a Deus a graça de viver tantos anos e chegar à velhice, como se lê em tantos textos bíblicos. O favorecimento do crescimento da espiritualidade, na vida do idoso, o torna agradecido e não envergonhado de sua idade. Por isso, além de encontros que a comunidade proporciona à chamada “terceira idade”, não se pode esquecer o favorecimento do crescimento espiritual através da Liturgia. A espiritualidade aproxima o idoso de Deus e isso o harmoniza internamente com a paz e a serenidade.
(Serginho Valle)


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.