24 de mar de 2017

Espaço celebrativo gaudete e laetare

O espaço celebrativo "gaudete" e "laetare" merecem atenção do Ministério da Ornamentação por se tratarem de espaços simbólicos, feitos com flores, com a possibilidade de introduzir algum elemento próprio do contexto celebrativo particular. Ambos têm a mesma finalidade: comunicar simbolicamente a alegria da Igreja pela proximidade do Natal (gaudete) e a alegria da proximidade da Páscoa (laetare). 
O "Domingo gaudete" é celebrado no 3º Domingo do Advento e, o "Domingo laetare" no 4º Domingo da Quaresma. O titulo destes dois Domingos provém de suas antífonas de entrada. Ambas convocam a assembléia celebrante a alegrar-se no Senhor. Assim, a antífona de entrada do 3º Domingo do Advento canta: “gaudete in Domino semper” (“alegrai-vos sempre no Senhor) e o 4º Domingo da Quaresma canta: “laetare, Ierusalem” (“alegra-te, Jerusalém”).
O convite à alegria é contemplado nas orientações litúrgicas com a possibilidade de se ornamentar o espaço celebrativo com flores. Isto não significa transformar o espaço celebrativo numa floricultura, mas tão somente, e apenas, propor um indicativo floral para expressar a alegria da Igreja. Trata-se, sim, de alegria, mas ainda contida, digamos assim; um contentamento de quem espera festejar brevemente a alegria da realização de uma promessa divina, no Natal (nascimento do Messias) e na Ressurreição de Jesus (vitória da vida sobre a morte).
Isto significa propor um arranjo simples, que não interfira no silêncio do Advento ou da Quaresma. Tudo indicando que se trata se um arranjo floral discreto, simples, apenas indicativo, não em forma de notícia, mas no modo de um recado ou, se quiserem, de um simples aviso. 
Como dito acima, existe a possibilidade de preparar o arranjo floral com algum símbolo relativo ao contexto celebrativo, no caso, do Advento ou da Quaresma. No Advento, por exemplo, pode-se formar o arranjo floral de modo simples e contendo dois ou três enfeites natalinos, como as bolas coloridas. No caso da Quaresma, o arranjo floral com uma vela, por exemplo, em se tratando do contexto do 4º Domingo da Quaresma, do Ano A, porque o Evangelho da cura do cego nato remete ao símbolo batismal da entrega da luz de Cristo, representado por uma vela acesa.
Nada, portanto, de enfeites florais exagerados nem no 3º Domingo do Advento e nem no 4º Domingo da Quaresma. No silêncio do espaço celebrativo, próprios do Tempo Litúrgico do Advento e da Quaresma, silenciosamente se introduz um elemento para despertar a alegria avisando que a festa já está próxima.
Serginho Valle 
2017 


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.