22 de mar de 2017

Oração Eucarística 3 - homenagem ao Sacramento

Já tivemos oportunidade de considerar a Oração Eucarística como a eucologia mor e mais bem estruturada da Liturgia. Trata-se de uma “peça orante” dirigida ao Pai, por Cristo, no Espírito Santo. 
É importante reconfirmar isso: oração dirigida ao Pai. Uma oração contínua, do início (Prefácio) ao fim (grande doxologia), completamente dirigida ao Pai. É ao Pai que se dirige o louvor e a glorificação, ao Pai que se invoca o Espírito Santo para consagrar o pão e o vinho em Corpo e Sangue do Senhor. Ao Pai que se fazem as preces em favor da Igreja, dos vivos e falecidos. Ao Pai, por fim, que se oferece o sacrifício da Igreja, que é o próprio Jesus Cristo. 
Mas, este é um dado que parece não ser considerado, especialmente quando a Oração Eucarística é transformada em homenagem ao Sacramento da Eucaristia. Em tal proposta, rompe-se com o destinatário da Oração Eucarística, o Pai, para dirigir homenagem ao Sacramento. A Oração Eucarística, como se lê em todos os documentos litúrgicos da Igreja, como evidenciado em textos de teólogos, não é momento para se prestar homenagem, adoração, louvores e súplicas ao Santíssimo. Esta acontece fora da celebração Eucarística, na Adoração ao Santíssimo, por exemplo. 
Antes que alguém me julgue ou me entenda mal, não estou falando de pecado, tão somente de um desvio de finalidade, nitidamente claro do ponto de vista da comunicação litúrgica. Ou seja, a Anáfora é uma oração dirigida ao Pai e não momento para homenagear o Sacramento.

Genuflexão 
Um modo de prestar homenagem ao Sacramento é através da genuflexão. No Missal de Pio V, usado antes do atual (Missal de Paulo VI), eram feitas duas genuflexões, num total de quatro. Duas genuflexões para o Pão consagrado e duas genuflexões para o Vinho consagrado.
Na reforma Litúrgica, realizada pelo Concilio Vaticano II (1963), os especialistas em Liturgia tinham um projeto para se abolir as quatro genuflexões. Assim só não aconteceu, mas se optou por apenas duas, por uma questão histórica. O motivo de uma possível abolição das genuflexões era evidenciar a direção da Oração Eucarística totalmente orientada ao Pai. 
É interessante observar que até mesmo a elevação  do Pão e do Vinho consagrados são tratados, na Instrução Geral do Missal Romano (IGMR), com discrição, seja pela presença em alguns parágrafos, seja no modo de orientar como fazer. A IGMR fala de “ostensionem hostiae ... ostensionem calicis”, traduzido no português como “apresentação da hóstia e apresentação do cálice” (cf. IGMR 179; 274) e não como "elevatio". Este termo aparece na orientação do rito da doxologia final: “patenam cum hostia elevat” ... “calicem elevatum”, traduzido no português com o verbo “elevar”; orientação, como dito, somente para o momento da grande doxologia do "per ipsum" (Por Cristo...) (cf. IGMR 180). Indicativo para não atrair a atenção ao Sacramento em si, com elevação do Pão e do Cálice consagrados e, indicativo para esclarecer que o Sacramento é o Sacrifício da Igreja oferecido ao Pai; elevado do altar da Igreja ao Pai. Nas anáforas orientais, por exemplo, não se contempla as apresentações do Pão e do Vinho consagrados aos celebrantes.


Momento devocional 
Considero grave, do ponto de vista da comunicação litúrgica, transformar a “consagração” em manifestação devocional ao Sacramento. Hoje, em muitas comunidades, alguns padres transformam a consagração em momento devocional. Ficam ajoelhados diante do Santíssimo cantando canções a Jesus sacramentado, como por exemplo, "Eu te adoro, hóstia divina", ou canções semelhantes.
Do ponto de vista da Teologia Litúrgica, isto pode ser considerado aberração. Não entro no mérito religioso e afetivo do padre e dos celebrantes, mas no fato se introduzir algo pessoal negando-se a fazer o que a Igreja  pede e orienta.

Orações pessoais
Tenho participado de algumas Missas que o absurdo, do ponto de vista litúrgico, é, no mínimo deplorável, para não dizer reprovável. Refiro-me a padres que, ao concluir a consagração, se ajoelham, deixam de lado a Oração Eucarística e passam a fazer orações por conta própria ao Senhor Sacramentado com pedidos de cura e libertação ou com outras intenções.
Esquece-se que quem faz a Oração Eucarística não é o padre, mas o próprio Jesus Cristo, que é o mediador junto ao Pai, que apresenta a ação de graças ao Pai, juntamente com a Igreja. O padre age "in persona Christi", e age como "vox ecclesiae" e, deste ponto de vista teológico, não é do seu direito modificar, a seu gosto e com seu sentimento pessoal, a Oração Eucarística que é sempre “prex ecclesiae”.
Quem sou para julgar se Jesus ouve ou não as preces. O que ressalto é a incompatibilidade entre a Oração Eucarística, que é da Igreja, e a escolha de substituí-la por preces pessoais. Nas vezes que questionei os padres sobre isso, alguns responderam-me: "o povo gosta". O problema é que quando a teoria do "povo gosta" entra na Liturgia, ou a Igreja ou o próprio Jesus deixam de ser protagonistas da celebração e cedem lugar ao padre ou a alguém que se julga acima de ambos. 
Serginho Valle 
2017


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.