15 de jul de 2017

Secreta da comunhão

A oração “secreta” dos ritos preparatórios para a Comunhão Eucarística obedece a mesma função, a mesma finalidade e a mesma dinâmica das outras orações secretas já avaliadas aqui no blogger. Trata-se de uma oração silenciosa feita exclusivamente pelo padre. O Missal Romano propõe duas fórmulas para a secreta antes da comunhão.

Conteúdo oracional
            A primeira secreta é dirigida a Jesus Cristo, reconhecendo que ele é o Filho do Deus vivo, aquele que realizou plenamente a vontade do Pai. O texto faz uma breve anàmnesis (memorial), que se conclui reconhecendo que toda a ação salvadora de Jesus Cristo, em favor da humanidade, foi realizada juntamente com o Espírito Santo. Quer dizer, o Espírito divino age e colabora na ação salvadora de Jesus Cristo. Faz-se memória, em outras palavras, da Salvação como obra Trinitária.
A segunda parte desta primeira secreta apresenta, sempre em forma memorial, o modo como Jesus oferece a Salvação divina à humanidade e como ele a realizou através da sua morte, na Cruz. Esta é tratada como árvore que produz frutos de vida nova.
Por fim, a parte conclusiva é aquela intercessora, suplicando o perdão dos pecados, o livramento do mal e da maldade e a graça de, “pela comunhão do vosso Corpo e pelo vosso Sangue”, ser capaz de viver sempre fazendo a vontade divina, a exemplo do próprio Jesus que viveu fazendo a vontade do Pai.
A segunda fórmula da secreta antes da comunhão é mais breve e tem uma linguagem mais objetiva, toda formatada num contexto suplicante. Dirige-se a Jesus Cristo, presente no Sacramento Eucarístico, diante dos olhos do padre, portanto, intercedendo que a Eucaristia — Corpo e Sangue do Senhor — não seja motivo de condenação, mas sustento e remédio para a vida. É uma dimensão que pode ser relacionada com a missão sacerdotal, enquanto sustento para a vida e caminhada do sacerdote em sua atividade evangelizadora, pela qual anuncia a Salvação divina.

Comunicação litúrgica
            Do ponto de vista da comunicação litúrgica, o rito da secreta antes da comunhão é realizado pelo padre com a participação e a sustentação orante silenciosa dos celebrantes. É um rito silencioso e cumpre a função de fazer uma pausa silenciosa antes de se aproximar da Mesa Eucarística. Por isso, a realização deste rito por toda a assembléia rompe o propósito de silenciar antes da comunhão e introduz a “falação”.
            Por que somente o padre? Do ponto de vista espiritual, o padre reconhece-se beneficiado da graça de alimentar sua vida pessoal e sacerdotal (que deve ser uma unidade) e intercede o dom da santidade, isto é, a participação na vida divina. Claro que isso é compatível igualmente para os celebrantes, mas no caso específico, o padre como que refaz sua vocação, ele que recebeu a Ordenação para alimentar o povo com a mesma vida divina que tem em suas mãos, no Pão e no Vinho Eucaristizados. A esse momento, os celebrantes se unem com a oração pessoal silenciosa, preparando-se para a comunhão Eucarística.
Serginho Valle

2017
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.