30 de jun de 2017

Processo pedagógico da Liturgia, um exemplo

As celebrações que compõem o Ano Litúrgico, além de celebrar os Mistérios de Cristo, exercem também atividade e função pedagógica em vista do discipulado. Ou seja, os celebrantes, de celebração em celebração — seja semanais como Dominicais — vão sendo plasmados e convidados a crescer no seguimento a Jesus, através do discipulado. Isso não significa reduzir a celebração litúrgica a encontros de catequese, mas ressaltar que o “modus celebrandi”, enquanto tal, é pedagógico e vai transformando o celebrante em discípulo e discípula de Jesus. Papel importantíssimo nessa função é a homilia.
À medida que se celebra a Liturgia, esta vai libertando os celebrantes de suas cadeias, de prisões que ele criou para si ou que lhe impuseram. Na solenidade de São Pedro e São Paulo, por exemplo, o reconhecimento vocacional de Paulo evidencia que o acolhimento do Evangelho fez dele uma pessoa livre diante de tudo e de todos; fez dele um verdadeiro discípulo de Jesus (2L da solenidade de São Pedro e São Paulo).
Outro exemplo muito interessante, neste sentido, é entender que as celebrações do Ano Litúrgico, as celebrações Dominicais em particular, modela o celebrante a partir do Coração de Jesus, que é manso e humilde (14DTC-A). O celebrante entende que Deus não se manifesta, a exemplo do mundo, com a força do poder agressivo, mas com a força da simplicidade, da serenidade, da aproximação feita com a ternura e com a paz. Entende-se, assim, que quanto mais um celebrante aprender a cultivar a humildade e a simplicidade em sua vida, tanto mais terá um coração semelhante ao Coração de Jesus. Mais será pacificado e pacificador; não precisará se servir do "arco do guerreiro" (1L do 14DTC-A), pois se dedicará a cultivar a mansidão e a humildade do Coração de Jesus (E).
A pedagogia litúrgica do 14DTC-A propõe aos celebrantes a formação de seus corações modelando-os ao Coração de Jesus. Proposta que é completada pela celebração do Domingo seguinte (15DTC-A) que, pedagogicamente, orienta a abrir a vida ao acolhimento da Palavra, tal como a terra se abre à chuva que cai do céu para fertilizá-la em vista de produzir frutos e frutificar em boas obras (1L). O celebrante é ajudado a perceber que sua vida é um terreno a ser cultivado e é neste terreno que se lança a semente da vida divina presente no Evangelho.
Na dinâmica pedagógica do Ano Litúrgico, presente nas celebrações Dominicais, o celebrante é alertado para a presença do mal e da maldade que, também estes, são semeados na vida humana (16DTC-A). Também neste caso, pedagogicamente, a celebração propõe um modo prático de lidar com o mal e com a maldade: não sendo agressivo — querendo arrancar o joio —, mas sendo humano, porque quanto mais humano se é, mais próximo de Deus se está e mais o bem e a bondade tem condições de abafar o mal e a maldade que são cultivados nos canteiros do mundo.
As celebrações aqui propostas como exemplo são (foram) celebradas no mês de julho de 2017. Servem de modelo para se perceber a dinâmica pedagógica da Liturgia em suas celebrações Dominicais. Falta ainda uma celebração, no mês de julho de 2017, o 17DTC-A, que celebra a presença do Reino de Deus no meio do mundo, comparando-o a uma pedra preciosa, pela qual vale a pena vender tudo para obtê-la. Espero não estar propondo nenhuma heresia ao dizer que as celebrações litúrgicas, do ponto de vista pedagógico, mostram o caminho para se obter a pérola do Reino de Deus.
O que fazer, do ponto de vista prático. Duas orientações aos padres e às Equipes de Celebrações. A primeira orientação é considerar o conjunto de celebrações que se afinam no diapasão de um mesmo tema, o que pode acontecer na sequência de dois ou três Domingo, por exemplo. Ou, pode-se pensar em uma pedagogia mensal, com canções, homilia, espaço celebrativo preparados em vista de uma pedagogia específica. No exemplo proposto, celebrações estão afinadas no contexto de plantar e cultivar a semente do Evangelho na vida pessoal e na comunidade.
A segunda orientação, especialmente aos padres, é propor homilias que ajudem os celebrantes a entender a possibilidade prática de adotar comportamentos a partir da Palavra anunciada em cada celebração dominical. O mesmo critério poderá servir para as Missas semanais, mas neste caso, não com homilias longas, mas com breves reflexões. Tudo isso vem ao encontro daquilo que dizia Papa Bento XVI: “a Liturgia evangeliza e é evangelizadora”.

Serginho Valle

Junho de 2017
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.