31 de mar de 2018

Pastoral Litúrgica: celebrar o cotidiano

O Ano Litúrgico atualiza, no tempo, do ponto de vista litúrgico teológico, o Mistério Pascal de Jesus Cristo. Já, do ponto de vista pastoral, o Ano Litúrgico pode ser proposto como a coluna vertebral da espiritualidade de uma paróquia, como a dinâmica que conduz e dá sentido ao tempo histórico da vida eclesial da comunidade.

O desafio de celebrar o cotidiano
            O Ano Litúrgico dita o ritmo das celebrações que ilumina a vida espiritual e a vida cotidiana do cristão, com seus momentos de solenidade e de festa, com seu grande tempo de discipulado, no Tempo Comum, com seus momentos penitenciais e aquele da esperança. A Pastoral Litúrgica (PL), portanto, não pode contentar-se com a rotina de realizar celebrações programadas pelo Diretório Litúrgico. Mais que isso, é tarefa da PL ajudar a comunidade a viver momentos festivos, penitenciais, de esperança, do discipulado. Não apenas celebrar, mas vivenciar. É uma atividade, infelizmente, pouco considerada em muitas comunidades, especialmente naquelas, nas quais a atividade da PL limita-se a preparar celebrações e, naquelas, com atividades ainda mais limitadas, de encontrar leitores e cantores para as celebrações.
            A atividade da PL, em favorecer a vivência, no ato celebrativo e no pós celebrativo dos tempos litúrgicos, pode ser considerada uma atividade central da Pastoral Litúrgica Paroquial. Uma atividade que precisa ser cultivada com estudos, reflexões e aprofundamentos. Uma atividade que se realiza sem os “efeitos especiais” de celebrações para emocionar ou impressionar, porque é um desafio que consiste em prolongar os efeitos da celebração no decurso da lida cotidiana. Uma PL ativa, do ponto de vista litúrgico, reconhece que somente em circunstâncias pontuais celebra momentos fortes da fé, mas a maior parte da sua atividade concentra-se na simplicidade do cotidiano. É na proposta de produzir a vivência cristã, pelo discipulado, na vida cotidiana, que se encontra o grande desafio da Pastoral Litúrgica Paroquial. Para tal finalidade, a PL conta com a dinâmica do Ano Litúrgico .

Itinerário de fé e santificação
            A reforma da Liturgia (1964) propõe o Ano Litúrgico, a celebração do Mistério de Jesus Cristo no tempo histórico, como um itinerário de fé e de santificação. Embora uma proposta muito bonita, parece que a mesma não conseguiu atingir algumas Pastorais Litúrgicas Paroquiais por estarem mais preocupadas, não com o novo da fé e da santidade, mas com a novidade de inventar ritos com criatividades pouco ou nada litúrgicas.
            O “programa” do itinerário de fé e de santificação proposto pelo Vaticano II, na Sacrosanctum Concilium, e em tantos outros documentos litúrgicos, baseia-se na Palavra de Deus, distribuída nas celebrações (especialmente na Missa) para maior proveito dos celebrantes. Para isso, é necessário propor a Palavra com profundidade e, isto, significa com conteúdo, não somente na homilia, mas em tudo aquilo que compõe a celebração: nos ritos, nas canções, nas monições...
            Na Missa Crismal de 2018, Papa Francisco dizia que a resposta vocacional autêntica do padre imita o Jesus Cristo andarilho e pregador do Evangelho. Neste sentido, o Papa falava de um “padre de rua”. Assim como tem moradores de rua, digo eu, assim tem o “padre de rua”, que fala a linguagem do povo, que conhece a palavra do povo e a ilumina com a Palavra de Deus. A celebração é local onde ecoa a Palavra de Deus para iluminar a palavra do povo, quer dizer, iluminar o modo com que o povo fala sua vida. Na mesma reflexão, Papa Francisco afirmava que “a homilia é a expressão do padre que conhece a vida do povo”. Para isso, o padre necessita ir ao povo, estar com o povo, viver no meio do povo e, igualmente, conhecer a Palavra, o que acontece pela oração, pela Lectio Divina, pelo estudo. Tal enunciado pode ser estendido à atividade da PL: conhecer a palavra do povo para ajudá-lo a dialogar com a Palavra de Deus.

A espiritualidade do Ano Litúrgico
            O Ano Litúrgico é a fonte da espiritualidade da vida paroquial. Já comentei em outra oportunidade, que a maior parte dos paroquianos alimenta sua vida espiritual pela Liturgia. E que tal nutrição inspira-se no Ano Litúrgico. É um desafio.
            Um desafio tamanho onde se nota, aqui e ali, o “uso” do Ano Litúrgico como agenda celebrativa, mas a preferência é pela espiritualidades de movimentos, de grupos, com celebrações feitas ao gosto de padres ou de líderes de algum movimento, e não com a espiritualidade litúrgica, que é a espiritualidade da Igreja. “Per carità”, como dizem os italianos, não se entenda que estou detonando a espiritualidade de tais grupos, mesmo porque toda espiritualidade autêntica é profética numa comunidade, como também é verdadeiro que toda espiritualidade autêntica bebe da fonte espiritual celebrada no Ano Litúrgico.
            Volto a dizer que existe um desafio grande em nossas comunidades: tornar o Ano Litúrgico aquilo que é: fonte de vida espiritual para o crescimento na fé e na santificação das pessoas. Faço esta ressalva porque percebo pouco empenho nas atividades de muitas Pastorais Litúrgicas paroquiais neste sentido, uma vez que a maior parte delas atua como organizadora de celebrações. O desafio da Pastoral Litúrgica Paroquial é bem maior que atuar, apenas, na organização de celebrações. O desafio consiste em ajudar os celebrantes a vivenciar na vida concreta o que celebram no decorrer do Ano Litúrgico para crescer na fé e na santidade.
Serginho Valle

Março de 2018
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Participe. Deixe seu comentário aqui.